As faces da vigilância tecnológica: ambiguidades, oposições e integrações

Por: Manuela Salazar | 9/11/15 12:16 PM

A Urban Jam #02 na última quinta-feira (05/11) tinha uma composição entre vários tempos, entre vários territórios: em Recife, no INCITI/UFPE, estavam para conversar Izabela Domingues, pesquisadora e professora da Unicap e da AESO – Faculdades Integradas Barros Melo e membro da Rede Latino-Americana de Estudos sobre Vigilância, Tecnologia e Sociedade – Lavits; Paulo Faltay Filho, jornalista e pesquisador; e Adriano Belisário, pesquisador e Membro do LabCEUs – Laboratório de Cidades Sensitivas, também parte da Lavits, na figura de mediador. Contudo, uma conversa foi realizada via Hangout no dia anterior, com pesquisadores da Lavits em vários pontos do globo: Rodrigo Firmino, professor do Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana e do curso de Arquitetura e Urbanismo da Puc-PR; Rafael Evangelista, professor-coordenador do Mestrado em Divulgação Científica e Cultural da Unicamp; e Lucas Melgaço, pesquisador associado do Departamento de Criminologia da Vrije Universiteit Brussel (VUB) em Bruxelas. (confira o currículo completo dos jammers).

O vídeo foi exibido em versão editada antes da conversa presencial. Foto: Sara Melo/INCITI

O vídeo foi exibido em versão editada antes da conversa presencial. Foto: Sara Melo/INCITI

O vídeo editado da conversa aqueceu o debate, ao trazer provocações sobre vigilância tecnológica, seja do Estado, seja da iniciativa privada, sobre a questão das smart cities, e todas as reverberações que implicam nessa problemática. “Se a gente está discutindo arranjos sociotécnicos, me interessa entender uma cidade onde justamente haja iniciativas que surgem nas esquinas e nas comunidades, nos coletivos, tanto quanto nas empresas, para a gente tentar superar um pouco uma certa assimetria”, afirma Firmino sobre o conceito de cidades sensitivas, um dos diversos pontos discutidos na conversa, disponível no youtube na íntegra.

A discussão no Recife permeou diversas questões relacionadas principalmente à questão da vigilância: a cultura em torno dela, as permissões, as ilegalidades, os pontos de fuga, as ambiguidades, as aparentes neutralidades, e outros tensionamentos. O ponto em comum entre os debatedores e participantes foi estabelecer que se trata de um assunto complexo mas que precisa urgentemente ser discutido de maneira ampla na sociedade. “Como escapar dessa teia? Não sei se é possível, mas acho urgente que nós proporcionemos esse debate. Quanto mais estudamos a vigilância e o mercado de dados pessoais, mais vemos como é uma questão complexa e necessária”, disse Domingues.

Veja como foi a Urban Jam #02, e acompanhe os eventos e novidades relacionados ao UTC Recife também em nossas Redes Sociais: Facebook, Youtube, Flickr, além de InstagramTwitter e Snapchat (todos com usuário @incitiorg):

Foto: Manuela Salazar/ INCITI Foto: Manuela Salazar/ INCITI

Foto: Sara Melo/INCITI

Foto: Sara Melo/INCITI

Foto: Sara Melo/INCITI

Foto: Sara Melo/INCITI

Foto: Manuela Salazar/ INCITI

Foto: Manuela Salazar/ INCITI

Adriano Belisário Foto: Manuela Salazar/ INCITI

Adriano Belisário Foto: Manuela Salazar/ INCITI

Izabela Domingues Foto: Manuela Salazar/ INCITI

Izabela Domingues Foto: Manuela Salazar/ INCITI

Paulo Faltay Filho Foto: Sara Melo/INCITI Paulo Faltay Filho Foto: Sara Melo/INCITI

Foto: Manuela Salazar/ INCITI

Foto: Manuela Salazar/ INCITI

Foto: Sara Melo/INCITI

Foto: Sara Melo/INCITI

UTC Recife – A Urban Jam é uma série de eventos para aquecer a pauta para o Urban Thinkers Campus Recife, um dos 28 eventos internacionais promovidos pela ONU-Habitat – Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos como etapa preliminar da Habitat III – Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável, a ser realizada em Quito, no Equador, em 2016. O Campus terá a Rua Domingos José Martins (localizada entre a Rua da Guia e Rua do Bom Jesus), no Bairro do Recife, como principal local do encontro, que também terá atividades em prédios dos arredores: Oi Kabum, Softex, Paço do Frevo e a sede do INCITI.

O Urban Thinkers Campus Recife será a única edição brasileira do ciclo de conferências inernacionais e terá o tema Cidades Inclusivas – jovens e tecnologias abertas no espaço urbano. A  organização do encontro é do INCITI – Pesquisa e Inovação para as Cidades, grupo de pesquisa da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), com patrocinio do Ministério da Cultura e da Prefeitura do Recife.

Inscreva-se no Urban Thinkers Campus Recife: http://utc.inciti.org.